jump to navigation

Fotos: O 2º lugar do concurso “Sou uma puta e meu marido é corno” 2 de janeiro de 2009

Posted by saluttie in Fotos.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

Seguem as fotos do 2º colocado do concurso “Sou uma puta e meu marido é corno” realizado pelo site http://www.morbocornudos.com

Participem do Concurso Você no Saluttie, Clique aqui e conheça as regras

Contos eróticos: Marido corno e feliz 31 de dezembro de 2008

Posted by saluttie in contos eróticos.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
2 comments

Participe do concurso de contos eróticos, clique aqui e veja as regras.

Conto extraído de http://www.contoseroticos.com.br

Enviado por: carlos

Sou uma negra casada bonita alta 1.86 72kg um bumbum empinadinho, devido a minha altura e modestia a parte sou bonita chamo atençao onde passo.a hitoria que vou contar aconteceu a duas semanas meu marido conheceu um amigo na net do perfil que eu gosto moreno alto atraente bem dotado 22×7,5cm simpatico marcamos de nos conhecer num barzinho perto do bairro que moramos ,chegamos primeiro , eu fui com um vestidinho bem sensual que chamou atençao até dos garçons , quando nosso amigo chegou ( vou chamalo de claudio ) ele olhou pra mim como se visse uma miragem não acreditando que eu era real me deu uma olhada como se eu estivesse nua , me comprimentou com beijo no rosto , mas sentia que ele queria me agarrar ali mesmo , não cansava de me elogiar , na frente do meu marido me chamanando de linda , maravilhosa , confesso que eu gostei, mas fiquei um pouco com vergonha,mas como meu marido diz que eu sou uma putona resolvir provoca-lo um pouco , me levantei de maneira bem sensual para ir ao banheiro só para provoca-lo não pensei que eu ia causar um rebuliço no bar pois os garçons e clientes começaram a me olhar , me sentir realizada, pois qual mulher não gosta de ser cobiçada , dei um tempo no banheiro e voltei em cima do salto dei uma sentada na cadeira daquelas que uma mulher só dá qundo senta numa bela pica ´aí que ele ficou doido , bebemos um pouco de vinho tinto , depois ele pagou a conta ´saimos , ele pensou que iriamos para um motel ; mas queria castiga-lo naquela noite saí de mão dada com meu marido sentí que ele queria segurar minha mão , então meu marido nos levou para uma rua de pouco movimento foi na frente e me deixou com ele aí ele não se conteve começou a me agarrar ,beijou meu pescoço passou a mão na minha bunda levantando meu vestido , depois me encostou no muro , me dando aquele arrocho dos tempos de namorados confesso que eu gostei muito ,fiquei molhadinha como nunca fiquei ,tivemos que parar pois tinha um homem muito estrnho nos observando , meu marido nos chamou por questao de segurança fomos embora eo homem nos seguindo , achamos melhor deixar para outo dia , senti que ele queria sair aquela noite mesmo , mas queria deixa-lo com muito tezao para nossa noite especial , marcamos para a proxima semana , chegando o dia me produzi toda coloquei uma calcinha bem pequena e fomos ao encontro , ele nos pegou de carro nos levou direto para o motel , chegando na garagem , meu marido foi abrir a porta , e le já foi me agarrando , chegamos ao qurto ele foi me beijando , ,meu marido pegou uma maquina digital e começou a registrar tudo ,ele me jogou na cama de roupa e tudo me beijando meu corpo tudo me levando a loucura ,puxou minha calcinha pro lado começou a me chupar , como ele chupa bem não resistir e gozei na sua boca , comecei a chamar meu marido de corninho e ele só tirando fotos , então eu resolvir retribuir o prazer que recebi, puxei a calça dele junto com cueca e tudo , confeso que me assustei um puco que pau linndo e grosso , comecei beijando a cabeça depois fui engolindo fazendo movinto de entra e sai na minha boca que delicia éo pau dele , mas não queria gozar na minha boca , ele tirou o pau colocou uma camisinha me virou de quatro, pinceleu o pau na portinha da minha xana e foi empurrando , mesmo eu estando lubrificada foi díficil entrar quando entrou ele deu um tempo , sem eu esperar ele empurrou tudo de uma vez , dei um grito de dor e prazer , mas ele foi socando forte do jeito que eu gosto , comecei a gemer pedindo mais,mais….e ele socando firme , comecei a chamar meu marido de corno dizendo assim é que se fode uma mulher qunto mas eu chamava meu marido de corno mais ele socava, gozei de novo agora no pau dele que delicia gozar com um pauzao de 22×7,5 demos um tempo , fui tomar um banho , pensei que ia relaxar um pouco , mas ele foi atras me agarrou no chuveiro me beijando toda que fiquei toda mole , ,e ajoelhei o e comecei a chupar se pau que estava duro e quente como brasa , ele me levou para a cama me colocou com as pernas pra cima na posiçao de frango assado eu ja estava toda molhada , ele encostou seu pau na minha xota e empurrou tudo me socou muito , eu gritando chamando mau marido de corno e ele tirando fotos , depois de dez minutos, ele tirou o pau e meteu ,no meu cu sem eu esperar gritei e esperneie +foi bom demais meu email vianna30@bol.com.br somos de sao gonçalo rj

Vídeos: Divindo a esposa e Sendo Pega no Flagra 29 de dezembro de 2008

Posted by saluttie in Vídeos.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
10 comments

Dividindo a esposa

Neste vídeo, o marido divide a sua esposa com o amigo. Os dois a fodem de todos os jeitos, com algumas DPs lindas.

Enquanto um come ela de quatro, o outro põe a pica na boca da vadia. Eles fazem de tudo com a esposinha safada.

http://www.secretas.com.br/videos-porno/amadores/marido-dividindo-esposa-safada/

Sendo pega no flagra

Neste outro, a safadinha galopa na pica do amante e dá pra ele de quatro. De repente, o maridão chega e vê tudo. O amante sai correndo e o marido pega a câmera e continua filmando a esposinha safada enquanto a xinga e diz que ela é uma safada que já o vinha traindo a muito tempo e que deu em todos os cantos da casa. A safada chora porque sabe que é o fim do casamento.

http://www.clubedosvideos.com/index.php?videoID=1820

Fotos: Concurso “eu sou uma puta e meu marido é corno” 26 de dezembro de 2008

Posted by saluttie in Fotos.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

As fotos abaixo foram extraídas do site http://www.morbocornudos.com

Este site, a um tempo atrás, fez o concurso “Yo soy una puta y mi novio es un cabron”, que em português significa “Eu sou uma puta e meu marido/namorado/noivo é um corno”

Vendo o sucesso deste concurso, nós, da Saluttie, resolvemos criar algo parecido. O concurso “Você no Saluttie”.

Saiba mais clicando em “Concurso, Você no Saluttie” na barra das páginas.

Seguem as fotos da primeira colocada.

Conto Erótico: Namorado faz sogra de puta e Infiel 24 de dezembro de 2008

Posted by saluttie in contos eróticos.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
2 comments

Conto extraído de: http://www.contosquentes.com.br

Enviado por: Carteiro

Estávamos passando um fim de semana prolongado no nosso sítio e resolvemos fazer um churrasco para a família e uns poucos convidados. Só por volta das cinco horas de uma tarde ensolarada é que minha filha chegou, muito sorridente, com um novo namorado. Ainda tinha comida, mas o churrasco mesmo já havia acabado.

Meu marido foi até a piscina e me comunicou o fato e eu, a contragosto, saí da piscina e fui ajeitar as coisas para minha filha e seu namoradinho.

Namoradinho que nada! Minha filha estava acompanhada e um homem simpático, corpo perfeito, voz forte e, ainda por cima, muito atraente. Fiquei surpresa com a minha reação àquele homem.

Vi os dois na sala e fui me aproximando sem conseguir desviar o olhar daquele exemplar masculino. Quando ela apresentou ao Marquinhos ele não deu nem tempo para que eu esticasse a mão lhe cumprimentando. Abraçou-me com grande entusiasmo, beijou minhas faces e confessou, sem me soltar, que eu era a sogra mais fascinante de sua vida!

Eu estava só de biquíni e aquele abraço me envolvia inteira. Sentia meus seios carinhosamente amassados naquele peito viril sentindo uma das mãos dando quase toda volta no meu corpo. A outra mão, um pouco abaixo da cintura, tocando bastante da parte superior da minha bunda desnuda por não coberta pelo biquíni, forçava pélvis contra pélvis e eu podia sentir sua pica encostada no meu corpo me permitindo perceber a ereção que se desencadeava.

Enquanto minha filha subia as escadas para mudar de roupa, o Marquinhos, descarada e facilmente, rodou meu corpo me abraçando de costas para ele. Manteve o abraço forte só que desta vez uma das mãos estava espalmada, pressionando e acariciando meu seio e a outra pressionava a parte de baixo de meu corpo me fazendo sentir, na bunda, sua pica já ereta. Falou em um sussurro ao meu ouvido que estava cheio de fome. Mudou de ouvido e me disse que eu era o motivo de seu apetite. Virou-me de frente para ele, pegou minha mão, deposito-a sobre seu membro fazendo-a apertá-lo com a sua mão sobre a minha e disse no meu ouvido que eu batera um recorde, ele nunca ficara excitado tão rápido com nenhuma mulher. Na seqüência disse que me comeria ainda naquele dia e que eu iria adorar ser sua sogra e sua puta.

Mais uma vez rodou meu corpo, me colocando de costas para ele, me deu uma forte palmada e, com voz de comando falou: – Agora, minha putinha, vai lá colocar uma comidinha para mim e sua gostosa filha, ela tinha bem a quem puxar. E eu, calada, fui.

Eu mesma não me reconhecia. Estava trêmula, arrepiada, tesuda, excitada, encharcada, submissa, e louca para ser possuída por aquele homem que desrespeitara minha casa, minha família – meu marido e minha filha, e me tratara como uma vagabunda qualquer. Eu fiquei imaginando tudo que eu deveria fazer para colocar aquele homem em seu lugar e ao mesmo tempo em tudo que eu estava desejando fazer.

Distraída com meus pensamentos não percebi que ele se aproximara. Quando notei, ele estava pegando minha mão e forçando-a a segurar sua pica, dizendo que queria me comer ali e agora para em seguida beijar minha boca com sofreguidão sendo plenamente correspondido e tendo sua pica acariciada apesar de sua mão não mais estar sobre a minha. Quando acabou de me beijar, me deixando com as pernas bambas, virou meu corpo – com que facilidade ele fazia aquilo – e deu outra palmada no outro lado de minha bunda recomendando que eu vestisse uma saia senão iam ver os dedos dele marcados na minha deliciosa bunda.

Desta vez olhei para ele fingindo raiva e já pensando em revidar, mas ele me deu outro delicioso beijo e ao acabar prometeu que nem a minha bundinha iria escapar. Saiu da cozinha e subiu aos pulos a escada para encontrar minha filha que lhe chamava.

Fiquei aflita. Nunca sentira tanto tesão. Eu estava ansiosa para trepar com aquele homem. Estava me sentindo uma puta. Mais de vinte anos de casamento sem nem pensar em trair meu marido que eu tanto amava e aquele homem chega, de repente, e esculhamba todos meus alicerces, minhas arquiteturas de casamento, de família… Como eu estava querendo trepar com ele, como estava odiando (e amando) tudo isso.

Lembrei do que ele disse e coloquei a carne no microondas para esquentar e subi correndo para meu quarto para colocar uma saia. Entrei no quarto, abri o guarda-roupa e olhei no espelho as marcas que ele deixara na minha bundinha. Encostei o dedo e senti um arrepio sair da minha buceta e se espalhar no meu corpo. Eu estava doida. Vi-me escolhendo uma saia rodada, tipo estudante, e vesti por sobre o biquíni. Desci correndo para servir o almoço para o casal e ver aquele homem de perto outra vez!

Na cozinha minha filha terminara meu trabalho e os dois estavam comendo. Marquinhos perguntou se podia me falar um segredo sobre o churrasco e minha filha sorrindo (e inocente) disse que sim. Ele, fingindo segredo, levantou-se e veio me ordenar falando sério, mas baixinho em meu ouvido. Tira esse biquíni aqui e agora, quero você sem calcinha enquanto eu estiver aqui. Se não me obedecer vou embora agora. Quando se afastou perguntou a minha filha quem era o churrasqueiro. Ela disse que era o pai e ele rindo disse que eu podia contar a ele o elogio que fizera. Enquanto eu ria, trêmula, dizendo que ele achara maravilhoso como o das mais famosas churrascarias, soltei os laços do biquíni que eram mais alto que a saia e puxei o biquíni por trás para espanto da minha filha. Ela ficou tão espantada que dei uma desculpa para sair correndo dali e disse, ao final, que estaria tomando um banho no meu quarto. Não sei se colou, mas eu tinha que obedecer àquele homem.

Neste momento os amigos saíram praticamente todos juntos, meu marido foi para sala ver televisão, e já tinha bebido tanto que adormeceu rapidamente. A noite caia e eu fui molhar as plantas ao redor da varanda dos fundos. Marquinhos sentou na varanda, próximo a janela, e ficou ora vendo televisão ora conversando com minha filha, que estava na sala e ora olhando descaradamente para mim.

Minha filha me chamou para ver um trecho interessante do repórter e eu encostei-me à janela. Assim que eu encostei-me à bendita – ou maldita – janela a mão do Marquinhos subiu pelo interior das minhas coxas e passaram a acariciar toda a vulva tão deliciosamente que sem perceber escancarei as pernas para facilitar as carícias. Eu tentava manter os comentários sobre a notícia com minha filha enquanto seus dedos entravam por dentro de mim no cu e na buceta e ainda conseguiam dedilhar meu clitóris me enchendo de excitação e de prazer.

As pernas tremiam, o corpo se arrepiava e eu queria mais e mais. Meu marido (dormindo) e minha filha cara a cara comigo só faziam estimular ainda mais a minha libido e toda minha vergonha, meu acanhamento, não existiam naquele delicioso momento. Eu estava quase ofegante. O orgasmo se aproximava. Eles iam notar e veio um desespero enlouquecedor. Eu não queria sair dali. Eu não podia continuar ali.

Veio o intervalo minha filha levantou e veio até a janela dizendo que ia dormir e chamando o Marquinhos. Sem parar de me tocar ele levantou dizendo que ia ficar mais um pouco me fazendo companhia e vendo a TV. Quando ela se aproximou ele deu-lhe um beijo maravilhoso e apaixonado pela janela. Durante o beijo ele se dedicou exclusivamente a minha vagina movendo dois dedos dentro de mim deliciosamente fazendo o orgasmo se anunciar premente. Que loucura! Ele beijando minha filha enquanto fazia sua mãe gozar como adolescente.

Ela me deu um beijinho no rosto e me pediu para não abusar da companhia dele, rindo! Será que ela notara algo! Ela, espreguiçando, subiu para o quarto. Assim que a porta do quarto se fechou eu não resisti e deixei o orgasmo se instalar, mas Marquinhos tirou sua mão e, por trás de mim, invadiu, com seu caralho potente, minha vagina inteira. Eu me senti totalmente preenchida, minhas carnes sendo forçadas para se adaptar ao tamanho daquela pica, maior, mais dura e mais grossa que a do meu marido. Eu estava indo do paraíso ao inferno e voltava ao paraíso, foi indescritível o conflito de sentimentos e sensações. Eu ofegava, a respiração perdera todo ritmo.

O louco do Marquinhos tirou tudo, quando eu tentei fugir ele me manteve na janela e enfiou novamente aquilo tudo vagina adentro passando a bombear feito louco. Gozei imediatamente. Foi um orgasmo delirante. Mordia minha mão para suportar tudo aquilo sem emitir nenhum som comprometedor. Que vontade de gemer, gozar, me liberar e curtir aquilo tudo por inteiro.

Assim que Marquinhos percebeu que eu já tivera meu orgasmo disse no meu ouvido que era só o começo, que ele ia me deixar assada de tanto fuder. Arrumou o short e voltou a sentar. Eu não tinha condições de dizer uma só palavra, meu corpo inteiro ainda era só prazer e medo, muita adrenalina e orgasmo juntos.

Arrumei a mangueira e quando entrava em casa Marquinhos me estendeu sua mão, pegou a minha, me levantou e me levou até a mesa. Afastou a cadeira da cabeceira, me fez sentar na mesa e começou a me beijar todo o rosto com muito afeto. Eu fingia tentar resistir. Logo estávamos nos beijando na boca e ele descia para o pescoço, lambia minha orelha e eu estava preocupada com meu marido ali tão perto, mas não conseguia conter minha respiração acelerada pelo tesão.

Num lampejo de arrependimento eu realmente esbocei uma reação de fugir daquele homem, mas um beijo na boca sentido aquele pênis roçando entre minhas pernas me dissuadiram de qualquer tentativa eficaz.

Meus seios foram sugados com maestria e eu estava experimentando um prazer já esquecido. Estava em devaneio. Todos os homens que namorei na adolescência voltavam a minha mente, eu estava namorando. Ele desceu um pouco mais e eu já sentia sua respiração na minha virilha quando ele tomou meus pés chupando cada dedo e se dedicando em me acariciar inteira. Foi subindo por minhas pernas, sentou na cadeira de frente para o meu corpo e continuou me beijando e me levou ao delírio, um sublime delírio, ao beijar meu clitóris, brincando com a língua sobre ele por longo momento.

O delírio foi se transformando lentamente num orgasmo que se anunciou e foi chegando devagar e foi se instalando e intensificando na medida em que aquela boca deliciosa passeava pela minha vulva, pelo rego, tentando invadir meu cu e minha buceta.

Deixei meu corpo deitar totalmente na mesa, ergui e arreganhei minhas pernas mantendo-me assim até que o clímax me desnorteou me fazendo perder a noção dos fatos e só percebi a mudança de situação quando aquela pica lentamente passou a rasgar minhas carnes lenta e decididamente.

Meu marido dormia a menos de dois metros, mas não resisti e, baixinho, comecei a gemer e arfar. De repente meu marido parou de roncar e aquilo me assustou, mas Marquinhos não perdoou e movimentava-se deliciosamente dentro de mim quase me levando a um orgasmo. Peguei-me gemendo e resmungando desnorteada:
– Dorme meu corninho.
– Me deixa curtir esse gozo com meu macho, corninho.
– Volta a roncar, corninho filho da puta!
– Corno babaca, para de me atormentar e ronca.

Parece que meu marido ouviu minhas súplicas e voltou a roncar, mas eu perdi definitivamente aquele gozo que prometia ser divino.

Marquinhos decidiu mudar as coisas e saiu nu, caralho ereto, em direção à cozinha voltando com a pica brilhando e com um copo de água. Bebeu um gole, me ofereceu um gole, pôs o copo no aparador, encostou-se ao meu rabo e com uma pressão decidida alojou aquela cabeçorra no meu cu. Instantes depois eu estava gemendo, sentindo meu cu rasgando, ardendo e querendo mais. Era um prazer inusitado. Dar o cu sempre me incomodara, mas com esse macho estava confortável e prazeroso.

Mais uma vez eu não me continha e os gemidos aconteciam baixinhos, mas a vontade era gritar de prazer. O orgasmo já se anunciava, meus músculos vaginais e anis se contraiam e relaxavam a minha revelia. Puxei Marquinhos para junto de mim e pedi: – Me faz gozar como uma verdadeira puta.

Ele balançou a cabeça afirmativamente e tirou o caralho de dentro de mim indo deitar com a pica ereta no tapete ao lado do sofá onde marido dormia. Dali me chamou e eu sabia que não ia negar e nem tentei fazer charme. Fui até ele e ele me fez cavalgar naquela pica de frente para o meu marido. Quando eu já estava com a pica toda dentro da minha vagina ele surgiu, não sei de onde, com um vibrador grosso, ligou o bicho, e foi enfiando cu adentro, levantou um pouco meu corpo e bombeou numa velocidade alucinadora fazendo instantaneamente um alucinante e delicioso orgasmo se alojar nas minhas entranhas.

Eu gozando e ele pedindo em sussurros que eu acariciasse meu marido, beijasse a boca do corninho, agradecesse ao corninho por ele deixar que eu virasse uma puta na frente dele. Eu pensava que aquele homem maravilhoso já me dera meu melhor gozo, mas estava enganada. O orgasmo que eu experimentava agora era lancinante, permanente, medonho, se espalhava por todo meu corpo como uma onda de calor, frio, arrepio, me tirava o juízo e eu comecei a cariciar meu marido agradecendo sem fôlego: – Obrigado corninho, muito obrigado amor!

Sem criatividade por conta daquelas arrebatadoras e inusitadas sensações eu me entregava a todos os caprichos daquele homem. Quando o gozo estava arrefecendo ele começou a fustigar o vibrador no meu cu em compasso com seu caralho alojado na vagina e me excitava humilhando-me com palavras:
– Puta hipócrita. Você goza comigo, namorado da sua filha, e proíbe que ela faça sexo nesta casa em respeito a você a ao seu marido. Safada, vagabunda, que respeito você tem pelo seu marido. Trepou com o primeiro homem que tentou te comer, na casa do seu marido, na frente do seu marido bêbado, acariciando ele.
– Tem mais, se você quiser continuar a ser minha puta vai acordar este corno e fazer trepar contigo agora, logo depois de eu esporrar em você. Vai fazer ele te chupar, comer essa buceta arrobada e eu vou assistir tudo ali da cozinha.

Acabou de falar e me levou ao delírio gozando na minha buceta, deixando-me encharcada, repleta de porra quente. Quando saiu de dentro de mim me fez limpar aquela piroca com a boca – e eu limpei com extremo prazer.

Ele levantou me jogando para o lado, pegou as roupas e foi para a cozinha sendo seguido por mim. Na cozinha voltou a me namorar, a acariciar meu corpo e mais uma vez eu estava com apetite para o sexo. Cruzes, eu raramente transava com meu marido e naquela tarde e noite eu trepei mais do que nos meus últimos meses e estava querendo mais. Quando ele percebeu que eu estava totalmente pronta e entregue para o sexo me orientou:

- Acorde seu marido, diga que teve um pesadelo e conte a ele, como se fosse o seu pesadelo, tudo que aconteceu entre nós desde que eu cheguei – com detalhes, não esqueça. Depois confesse que o pesadelo te deixou excitada e comece a comê-lo ali mesmo, no sofá. Vou assistir tudo daqui, que vê-lo realizado com a putinha que ele tem em casa.

Mas isso vai ficar para outro relato.

No meu blog “www.contosensuais.blogspot.com” você pode conhecer e comentar outros contos. Se preferir envie um e-mail com suas observações.

O Carteiro
carteiro.rj@gmail.com

Videos: Xerife Corno e Corno em lua de mel 22 de dezembro de 2008

Posted by saluttie in Vídeos.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
add a comment

Vejam estes dois vídeos:

Xerife Corno

by SexoVideoPorno

Este Xerife tem a esposa mais safada da cidade. O homem não dá assistência e por isso ela tem que procurar em outros. O corno mal sai de casa e ela já começa a dar.

Corno em lua de mel

By TelaErótica

Este corno acabou de se casar com uma mulher muito safada. Na festa de casamento, o homem bebe demais e acaba dormindo. Sobra para os padrinhos fazerem a festa.

http://telaerotica.com/index.php?videoID=1333

Negão Come duas safadas e os cornos filmam e fotografam tudo 1 de novembro de 2008

Posted by saluttie in Vídeos.
Tags: , , , , , , , ,
1 comment so far

Vejam esse vídeo onde um negão come duas safadinhas, faz elas pagarem um boquete gostoso, e soca uma rola enorme nelas, com os corninhos filmando e fotografando tudo.

Os cornos até que participam da brincadeira e viram de perto suas esposas serem fodidas.

Com direito a banho de porra.

http://telaerotica.com/index.php?videoID=1668

Cliquem no link e vejam

Episódio 8 – Bem vindos 14 de setembro de 2008

Posted by saluttie in 1ª Temporada, Episódios.
Tags: , , , , , , , ,
add a comment

Antes de ler conheça os personagens clicando aqui

Leia também os episódios anteriores da série clicando aqui

DEPOIS DE LER, COMENTE, SUA OPINIÃO É ESSENCIAL

SALUTTIE

1ª TEMPORADA

EPISÓDIO 8 – Bem vindos

Bruno e Deise já namoravam a dois meses quando resolveram morar juntos. Não precisavam sair de Saluttie. Fizeram um acordo com os amigos. Assim, Deise e Bruno morariam junto com Pedro e Roberta.

Mas Claudia não queria morar sozinha com Felipe, pois sabia que poderia acontecer coisa errada. Então chamaram um casal para compartilhar a casa com eles. Renato e Flávia.

Renato era moreno e forte enquanto Flávia era loura e alta. Chamou bastante atenção dos moradores daquele lugar.

- Sejam bem vindos. – Disse Tori no tradicional churrasco de fim de semana – Logo vocês vão ver que aqui em Saluttie, todo mundo se dá bem.

Eles não demoraram nem um pouco a descobrir isso.

- Guga, essa Flávia é muito gostosa. – Sussurou Felipe ao amigo.

- É. Vamos ter que dar as boas vindas a ela.

Eles sorriram maliciosamente.

Do outro lado do pátio.

- Sandrinha, esse tal de Renato é muito gostoso – Sussurrou Deise à amiga.

- É. Vamos dar as boas vindas a ele.

Elas sorriram maliciosamente.

Os seis estavam na casa de Sandra e Gustavo conversando e sabendo sobre a vida dos outros. Renato e Flávia explicavam de onde eram, como se conheceram e etc. Deise, Felipe, Sandra e Gustavo fingiam prestar atenção.

- Renato, vamos a minha casa buscar umas cervejas que eu tenho lá. É que o Bruno não está aqui e eu não consigo trazer sozinha. – Disse Deise.

- Tudo bem. – Concordou.

- Eu vou com vocês. – Acrescentou Sandra.

Sozinhos com Flávia, Gustavo e Felipe demonstraram o quanto queria comê-la. E ela parecia não ter nada contra. Mãos rolavam pelos corpos, mas sem muita sacanagem, até que “sem querer” roçaram-se mais do que pretendiam.

- Desculpa – Disse Gustavo.

- Não tem problema não. – tornou – Fica tranqüilo.

- Não tem problema? – Perguntou Felipe agora indo pra cima dela também e passando os dedos delicadamente por seu pescoço.

Ela sorriu.

- Nenhum problema.

Foi o sinal verde. Passaram a mão, agora por todo o seu corpo excitando-a. Beijaram-na em muitos lugares antes da boca. O pescoço era o alvo favorito, as coxas reveladas por aquela saia vinham em segundo lugar.

- Você é muito gostosa, Flavinha.

Ela sorriu com o elogio e pediu algo mais.

Tiraram lentamente sua blusinha e um sutiã preto de renda foi revelado. Por trás deles, enormes seios brancos.

Colocaram-na em pé. Gustavo cuidava de trás e Felipe da frente. Beijavam todas as partes de seu corpo com voracidade. Gustavo cravou uma das mãos na bunda de Flávia, enquanto Felipe chupava os peitos da mulher como se fosse uma mamadeira.

Não demorou e ela já estava só de calcinha na sala com os dois homens a devorá-la. Ela já explodia em tesão quando Felipe tirou lentamente a sua última peça de roupa e começou a chupar o seu clitóris. Gustavo aproveitou para colocar a sua pica na boca de mulher.

Ficaram nesse troca-troca oral por um pequeno tempo. Sabiam que logo Sandra e Deise voltariam, e precisavam terminar logo com aquilo.

Os dois homens se despiram por completo. Felipe deitou no chão e Flávia montou em seu cacete. Mal começou a galopar e Gustavo já a mandava parar.

- Por que? – perguntou.

- Só com um não vale.

Ele abriu a bunda da mulher com as mãos e lubrificou o seu cu com um pouco de cuspe. Enfiou lentamente, até estar totalmente enterrado nela.

Flávia soltava uns gritinhos de dor e prazer enquanto ele a penetrava. Os dois homens dentro dela começaram a se mexer simultaneamente. Bolinavam-na pela frente e por trás e a mulher gemia de prazer com aquelas duas picas a comê-la.

Felipe sentia em seu corpo os seios fartos da mulher se mexendo no mesmo ritmo de suas estocadas. Gustavo via a mulher de quatro delirando sob sua pica.

Metiam forte e sem dó. O perigo de ver Sandra, Deise e Renato entrando por aquela porta a qualquer momento os excitava ainda mais. Algum tempo depois eles já gozavam, caindo desfalecidos no chão.

Sorrindo, eles se recompunham.

- Eles estão demorando. – Disse Gustavo.

Pegou o celular e ligou para Sandra.

- Onde vocês estão?

- A gente veio comprar mais cerveja. As da casa da Deise tinham acabado.

- Por que você está ofegante? – Perguntou Gustavo

- Não sei, ta calor aqui.

Mal sabia Gustavo que enquanto ela falava isso, Renato comia Deise e esta passava a língua por toda a boceta de Sandra.

Os parceiros da casa de Deise não estavam, e eles tinham a casa inteira para eles.

Ela desligou e Renato sorriu.

- Que safadinha que você é.

- Muito. – Concordou.

Deise gozou intensamente e agora era a vez de Sandra.

Ela jogou o homem na cama e partiu para cima dele, galopando em sua rola ferozmente.

- Acaba comigo gostosão.

Seus seios pulavam ferozmente tal a velocidade com a qual ela era comida. Uma das mãos do homem agarrou um deles e apertou.

- Ai, delícia.

Deise observava tudo.

Sandra gozou também e caiu de lado.

Renato continuava duro e as duas não hesitaram em cair de boca naquela pica dura e toda suja de porra feminina.

- Um. Que pica deliciosa. – Diziam.

- Isso, podem mamar bastante que tem leite pra todo mundo.

Ao ouvir isso as duas se animaram e continuaram a passear com a língua da cabeça ao saco do homem. Ele estava em êxtase.

- Acho que vou gozar.

Sandra enfiou a pica de Renato na boca e começou a chupar rápida e deliciosamente. Ele começou a se contorcer, segurando para liberar um jato mais forte.

- Goza na boca dela vai. – Dizia Deise para provocá-lo.

Ele não conseguiu segurar mais, e liberou um jato tão forte que Sandra se assustou e deixou a porra escapar pela sua boca.

A rola continuou jorrando em grandes jatos. Deise posicionou seu rosto a tempo de receber o último pedacinho de porra. A maior parte ficou espalhada pela cama de Deise e pela barriga e coxa do homem.

Elas começaram a lamber o leite derramado e Renato, aos poucos, foi se animando novamente.

- Não, temos que voltar – Disse Sandra decidida quando viu a rola dura novamente.

- Onde estão as cervejas? – Perguntou quando os três chegaram de mãos vazias.

- Não tinha.

Mais tarde quando Renato e Flávia iam pra casa, comentaram:

- Acho que vou gostar de morar aqui.

- Eu também.

Eles sorriram e se beijaram.

E transaram a noite toda.

Próximo episódio – Calmihornia Parte 1

Episódio 6 – Bom e velho amigo 31 de agosto de 2008

Posted by saluttie in 1ª Temporada, Episódios.
Tags: , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Antes de ler conheça os personagens clicando aqui

Leia também os episódios anteriores da série clicando aqui

DEPOIS DE LER, COMENTE, SUA OPINIÃO É ESSENCIAL

SALUTTIE

1ª TEMPORADA

EPISÓDIO 6 – BOM E VELHO AMIGO

Gustavo não estava bem desde o dia da festa que deram em sua casa. Aquela bebedeira não fez bem para sua cabeça. Sandra continuava ainda mais cúmplice de Deise e as duas andavam cheias de segredinhos.

- Mas o que você vai fazer a respeito?

Gustavo surpreendeu Sandra perguntando isso a Deise. Vendo que o homem se aproximava, elas encerraram o assunto. Olharam para ele sorrindo. Deise como sempre estava muito provocante.

- Sandra, eu vou à farmácia comprar algum remédio. Tem algo estranho comigo.

- Tudo bem amor, se cuida.

Na saída, ele viu Bruno conversando com Felipe na casa perto do portão. Cumprimentou-os formalmente e saiu.

Na farmácia ele nem sabia o que procurar. Começou a olhar tudo, alguma coisa, no entanto, chamou sua atenção.

Gustavo estava na penúltima fileira de remédios mais afastada do caixa. Através da prateleira ele viu um casal conversando.

- Isso não vai funcionar. – Disse o homem. – Ninguém vai aceitar fazer isso.

- É claro que vão. – Retrucou – Olha pra mim.

Ela fez menção de seu corpo com as mãos. Usava uma mini-saia xadrez e uma blusinha branca. Parecia uma colegial japonesa, pois era bem baixa. Seus longos cabelos morenos contrastavam fortemente com seus olhos cor de mel e sua pele branca. Gustavo não pôde deixar de reparar em seus fartos seios. O homem era pouca coisa maior que ela. Tinha os cabelos enrolados e curtos. Gustavo supôs que tivesse a sua idade.

- Vai dar pra trás agora? – Perguntou a mulher sorrindo e abraçando o homem. Pegou suas mãos e a colocou nos seus seios.

- Não quer ver isso aqui…

Ela não terminou a frase pois outra pessoa apareceu no final do corredor. Eles disfarçaram e começaram a andar. Logo, viram Gustavo.

Não se reconheceram na hora, mas depois de uma boa olhada os dois homens exclamaram.

- Não acredito!

Era Vítor. Antigo amigo de ensino fundamental.

- É você mesmo Gustavo? – Perguntou abraçando o amigo.

- Claro. – Ele riu – E quem é essa? – Perguntou apontando para a mulher que o observava com interesse.

- É minha mulher, Gabriela – respondeu orgulhoso.

Os dois bateram um papo, mas assim que Gustavo se afastou para voltar à sua busca, Gabriela disse:

- Tem que ser esse.

Foi muito sem jeito que Vítor chegou em Gustavo e fez a proposta. Não foi naquele dia. Conversaram muito antes de reconquistarem a confiança um do outro. Marcaram de irem a um bar e Sandra só não foi porque tinha outro compromisso marcado com Deise.

Foi melhor assim.

- O que você queria propor? – Perguntou Gustavo a Bruno, sem ligar para o sorriso da mulher do amigo.

- Bem… é que… – Ele hesitou.

- Pode confiar.

Gustavo parecia ler os pensamentos dele, pois olhou para Gabriela e piscou. Vítor percebeu e pareceu ficar um pouco mais nervoso com isso.

- Há algum tempo, Gabriela e eu estávamos tentando ter um filho, mas não estávamos conseguindo. Então fomos a um médico e…

- E…? – Quis saber.

- E eu não posso ter filhos.

Gustavo não entendia aonde o homem queria chegar, então deixou-o continuar.

- A gente quer muito ter crianças. – Falou, tentando dar pistas. Mas nada.

- O que eu quero dizer é que… como nós somos muito amigos, e quase não nos vemos, não conhecemos nada sobre a vida um do outro…

Agora Gustavo entendeu. Ele sorriu, mas queria ouvir sair da boca do amigo as palavras mágicas.

- Pode ser mais claro? – Perguntou.

Ele suspirou e disse:

- Nós dois concordamos que queremos que você engravide Gabriela.

- Eu não sei. – Disse Gustavo apenas para jogar com eles. Intimamente já tinha aceitado a muito tempo. Conhecia Vítor: era responsável demais para decepcioná-lo. – E depois, como vai ser?

- Não se preocupe. Quando Gabriela engravidar, mudaremo-nos para o sul e nunca mais terá notícias nossas.

- Então você quer que eu transe com a sua mulher?

- Sim.

- Quer que eu faça nela o que você não consegue?

- Sim.

Aproximando-se mais do amigo, ele sussurrou:

- Quer que soque meu pau na buceta dela até eu gozar e engravidá-la?

Vítor parecia não estar gostando daquilo, mesmo assim disse…

- Sim.

Eles saíram dali e foram direto para um motel.

- Mas já? – Perguntou Vítor – Eu não quero ver. Me deixe em casa.

- Não! – Respondeu Gustavo – Eu faço questão que você assista tudo.

Gabriela apenas sorria disfarçadamente. Vítor pareceu contrariado, mas aceitou.

Chegando ao motel, Gustavo beijou Gabriela com ferocidade, enquanto o marido fixava o chão.

- Olhe para nós – Exigiu. – Olha o que eu faço com a sua mulher.

Levantou o vestido que ela usava e apalpou a sua bunda. Vítor, com desgosto, encarou aquela cena humilhante para ele.

Gustavo tirou o vestido de Gabriela por cima. Abaixando o seu soutien, ele começou a chupar aqueles seios enormes. Eles pulavam a cada mínimo movimento que a mulher fazia, excitando Gustavo ainda mais.

Ele colocou-a cuidadosamente na cama e mandou Vítor se aproximar e puxar a calcinha vermelha fio-dental de Gabriela para o lado. Ele obedeceu sem reclamar, apesar da cara feia.

A buceta da mulher ficou desprotegida para Gustavo chupá-la e lambê-la como quisesse. Em alguns minutos, Gabriela já gozava loucamente como nunca tinha gozado nas tentativas de engravidar.

- Ahhh. – Dizia ela. – Olha, seu corno, o que esse gostoso faz comigo.

Vítor não acreditava naquelas palavras, mas entendeu que era coisa de momento, e não disse mais nada.

Gustavo mandou Gabriela abaixar a sua bermuda e sua cueca, revelando um pau muito duro. Ele sentou-se na cama e mandou-a chupar, o que ela fez com maior prazer. Ele ainda falou para Vítor empurrar a cabeça da mulher em sua pica.

- Faz assim. – Explicou Gustavo, segurando fortemente nos cabelos de Gabriela e fazendo-a mamar em sua rola.

Foi a vez, então, de Vítor. O corno segurava a cabeça da mulher e a forçava contra a pica de seu amigo. Fazia o caralho de Gustavo foder a boca que ele beijava tantas vezes por dia.

- Nossa Vítor, sua mulher tem uma boca muito gostosa. Ainda bem que você ajuda ela a pagar um boquete pra mim.

Gustavo mandou que Vítor parasse e ordenou que beija-se Gabriela. Ele obedeceu e sentiu o gosto recente da pica do amigo na boca da mulher.

- Muito bom. Um corno de primeira.

- Vem me comer – Disse Gabriela desvencilhando-se da boca do marido.

Ela tirou o soutien.

Gustavo colocou a mulher de quatro e mandou Vítor puxar sua calcinha com a boca. Assim, ele começou a foder Gabriela.

Quando ela olhou para trás e viu o seu marido com sua boca na calcinha e centímetros da pica do amigo que a comia, ela não agüentou e gozou. Gemeu muito alto.

- Ahhh. Olha corno como se come uma puta. Olha e aprende. Essa pica que você arranjou pra me foder é muito gostosa. Ahhh.

Gustavo achava tudo aquilo muito bom. Sua coxa direita encostava levemente no rosto de Vítor cada vez que metia fundo na mulher do amigo. Nunca tivera uma visão tão excitante quanto essa, sentiu que estava perto de gozar. Então parou, queria que durasse mais.

- Deita de lado, cachorra.

Ela obedeceu sem hesitar. Vítor aproveitou para tirar a calcinha de sua mulher totalmente para evitar outra cena como aquela. Gustavo, porém, não o deixou livre.

- Segura a perninha da sua mulher bem alto pra eu poder foder ela.

E assim, Gustavo permaneceu comendo a mulher de Vítor com este segurando suas pernas bem abertas para facilitar a transa. Ficaram assim por vários minutos até Gustavo gozar bem forte e cair cansado ao lado da mulher do amigo.

Gabriela se levantou e foi limpar a pica do seu amante, mas ele não deixou.

- Isso é um trabalho pro corno.

Ele não quis.

- Então você nunca terá o seu filho.

Vítor pensou e não viu outra escolha a não ser mamar na rola de Gustavo, com a mulher rindo ao seu lado.

- Além de corno é viado. – Disse Gabriela.

Enquanto o marido chupava a pica do amante, a mulher veio por cima de Gustavo e ofereceu seus volumosos seios para ele chupar. O que fez de bom gosto. Logo, a rola de Gustavo já estava dura novamente e eles recomeçaram a foder.

Deitado na cama, ele puxou Gabriela para cima dele e a mandou galopar em seu pau. Ela pulava e gemia muito alto, além de gritar muitas sacanagens.

- Me fode. Ah… Me fode na frente desse corno manso. A idéia foi dele. – Gemia ela – Ele queria que alguém me engravidasse.

Gustavo ouvia isso e fodia a mulher ainda mais forte. Gabriela ofereceu a mão para Vítor segurar. Ela, estava sendo comida pelo amante de mãos dadas com o marido, que assistia a tudo de perto, como um bom corno submisso.

Transaram bastante naquele dia. Gustavo gozava sempre dentro dela. O ponto alto foi quando, de quatro, a mulher deu o cu para o amante enquanto o marido chupava a sua boceta. As bolas de Gustavo batiam no rosto do marido da mulher que ele comia como se fosse uma puta.

Encontraram-se várias vezes naquela semana. Transavam sempre sem camisinha e sempre na presença do corno. Estavam quase se esquecendo da verdadeira intenção daquilo tudo, porque eu uma das vezes, Gustavo fez questão de encher a boca de Gabriela com muita porra e depois ordenou que ela cuspisse tudo na boca do maridinho corno e que esse engolisse aquele leite quente. Leite precioso que estava sendo desperdiçado, pensava Vítor, porém, ele não sabia que Gabriela já tinha engravidado e que ainda continuavam transando apenas por prazer.

No final de semana, ela fez o teste de gravidez. Deu positivo. Eles contaram a novidade para Gustavo que ficou muito feliz também. Para comemorar, foram ao motel, e ficaram na suíte mais cara do local, beberam muito champagne e foderam muito. Tudo bancado pelo corno, que estava tão feliz pelo filho, que acabou se excitando com a mulher sendo enrabado pelo amigo. O corno fez tudo que lhe mandaram, até deixou Gustavo gozar em sua cara.

- Bebe essa porra, seu corno, porque foi ela que fez o seu filho. – Dizia Gabriela observando o marido com o leite de Gustavo na boca.

No dia seguinte eles se foram e Vítor agradeceu exageradamente a Gustavo.

- Obrigado mesmo. – Dizia ele.

- Pelo que? – Perguntava Gustavo cinicamente com um sorriso.

Vítor sorriu. Já aprendeu o que tinha de fazer.

- Obrigado por comer minha mulher do jeito que eu não consigo fazer. E obrigado por engravidá-la. Sempre que olhar para meu filho vou lembrar que sou um corno manso e que você é o macho que minha puta merece.

Gustavo sorriu e disse:

- O prazer foi meu.

Próximo episódio – Amor e Sexo

Deise começa a namorar com Bruno. Ela domina o homem e logo passa a traí-lo. Faz dele um corno manso assumido e submisso. Conta para Sandra tudo o que fez com na sua primeira semana de namoro e afirma que foram feitos um pro outro: Uma vaca e um touro

+ interatividade 27 de agosto de 2008

Posted by saluttie in Aleatório, Sobre Sallutie.
Tags: , , , , , ,
add a comment

Confira o forum de Saluttie

http://saluttie.forums-free.com

+ interatividade…

fotos,

vídeos,

Hentais,

contos eróticos e muito mais

http://saluttie.forums-free.com

cadastre-se gratuitamente.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.